Primórdios da Vida Social Polonesa no Brasil

Desde o início da colonização polonesa no Brasil, a vida social girava em torno da capela ou da igreja local. As idéias nasciam no recôndito de seus lares simples. e à sombra das casas de Deus, quando a alma simples e ardente dos poloneses, encontrava-se em contato com Ele, e nutria a necessidade de comunidade e organização.

Os primórdios da vida social no Brasil, no Paraná, e em Curitiba, surgiam após Edmundo Wos Saporski ter trazido de Brusque, Santa Catarina, os primeiros emigrantes poloneses, em 1871, e tê-los alocado em Pilarzinho e Abranches.

As bases foram lançadas; a semente germinou e soltou as suas raízes; a idéia começa fenecer; brota a iniciativa nos mais longínquos recantos poloneses. Todos apoiam a necessidade de concentrar a defesa de seus próprios interesses, a representação da colônia, e, finalmente. a solução dos assuntos nacionais e sociais, e, assim por diante. Na primeira década, de 1890-1900, surgiram 35 associações, desde o Rio de Janeiro, até o Rio Grande do Sul. Uma verdadeira onda inundava as nossas colônias, surgiam núcleos sem coordenação, dispersos, sem contato com outras organizações, fraca, com problemas financeiros e com a falta de gente preparada, bem como, com o apoio da parte dos colonos; organizações, na sua maioria andavam soltas, sem liames e programas.

As longas atividades de associações e os dados extraídos das atas de reuniões de suas diretorias, falam das inúmeras conquistas, no terreno da educação e cultura. Os trabalhos educacionais foram iniciados de uma questão primordial, a criação da escola, a biblioteca ofertada por Edmundo Wos Saporski, e em parte pelo Prof. Hieronim Durski, e, também, de uma sala de leitura. Uma bela atividade progressista, de acrdo com as atas das reuniões, dera início, já no ano de 1891.

 

Edmundo Saporski e sua influência política


A Sociedade Polono-Brasileira Tadeusz Kosciuszko

Índice

 

voltar